Archive for the ‘Sem categoria’ Category

Protegendo o Meio ambiente conscientemente

Protegendo o Meio Ambiente

Sem dúvida é uma das decisões mais árduas,  pode ficar feliz ou infeliz por tal decisão, pois incorre custos. Em um exemplo fantasioso, se uma pessoa resolve comer uma barra de chocolate por dia, ela terá muito prazer. No entanto, arcará com os custo financeiro de comprar o chocolate e também o custo de saúde e autoestima associado a engordar. Ao colocar na balança as vantágens e desvantagens de cada ação, o ser humano escolhe caminhos que lhe parecem mais vantajosos. Neste caso comer ou não comer(eis a questão) serão sentidos pela mesma pessoa!

Explica bem este vídeo

Explica que os governos escondem informações como esta. Explica que há uma certa falta de interesse em investir nos catadores. Explica a falta de fomentação e educação dos cidadãos(mais dos adultos do que nos jovens).

Em SBC , pelo que eu conheço existem apenas duas associações de catadores de RESÍDUOS , onde a mais ativa, Refazendo, sei como funciona, pelo menos a 2 anos atrás… não sei como está funcionando hoje.

Antes a Prefeitura de SBC emprestava caminhões para levar os Resíduos  que mais eles utilizavam, o papelão e papel branco(papel que não está sujo com óleo e foi no máximo reciclado 2 vezes) e Garrafas PET…

RECOMENDAÇÕES AO GRUPO DO BANCO MUNDIAL

  • Instituir uma política operacional que proíba projetos que incluam a incineração de lixo. . .
  • Interromper a disseminação de publicações que endossem a incineração, que retifique ou que remova os endossos à incineração.
  • Instituir uma política operacional que proíba projetos que não obedeçam à Convenção das Nações Unidas em Estocolmo sobre os POPs, independentemente do status legal da Convenção no país hospedeiro.

 

 

Em assuntos de meio ambiente, o fenômeno das externalidades se materializa claramente, pois as vantagens econômicas de destruir a natureza superam de longe o custo individual que o destruidor incorre. Se tal assunto for deixado exclusivamente à iniciativa privada, a degradação ambiental deve se acelerar. É atividade central do Estado proteger as áreas públicas e a natureza em geral. Conscientizar a população a respeito da importância da sustentabilidade é positivo. No entanto, somente com leis duras e cumprimento eficiente das mesmas o Brasil poderá garantir a proteção do meio ambiente.

O que o Estado deve fazer por nós(aqueles que os escolhemos para nos representar?)

Desde 1988 Na Revisão da Constituição, foram colocadas as partes que cito abaixo como sendo CINCO TAREFAS FUNDAMENTAIS DO ESTADO. No entanto ela elabora com tal complexidade que possibilita interpretações dúbias por meio de seus 980 itens e 347 artigos… ai compara-se os Estados Unidos com suas 7 artigos e 30 emendas… ou o político Brasileiro gosta de escrever, ou estamos com muita burocracia

 

 

 

Propostas para a constituição: Documento curto que determine as cinco tarefas fundamentais do Estado

1.

Garantir as liberdades individuais

2.

Manter a ordem

3.

Proteger as pessoas contra a miséria absoluta 38

4.

Garantir que as crianças estudem

5.

Proteger o meio ambienteCarnaval 2010 e aniver Thite 576

Como eu observo  a Billings secando(devido ao progresso do Rodoanel ) falas estapiafurdias de que será colocado um aeroporto, que teremos a Estrada Velha de Santos PRIVATIZADA, e falta-nos reagir….1003249_528068247242454_1113289188_n

Quem gosta de bike e ir para Santos, lutem por mais segurança naquelas estradas, vidas do Estado, lutem para sempre visitar a Casa de Pedra, lutem para não cair balões na mata, eu não estou a vontade com essa tal de privatização, e nem me importa se vai pagar ou não pedágio, afinal, bicicleta, skate, e dois pés, não pagam pedágio…

Tomem cuidado com “se acaso” disserem , vou privatizar… isso tira toda nossa soberania e o único local que é intocável… aeroporto? construam  mais escolas! fará bem aos políticos do futuro

 

Este post foi corrigido dia 24/09/2013 por Mozart Faggi

 

Como é? tem vereadores que dizem ter sugerido a ciclovia em SBC? Hilário!

Os vereadores de hoje, eleitos como criança, são bebes no parlamento, dizem de bucho cheio: Eu criei a idéia, o projeto das ciclovias e esta ciclofaixa…

Você criou nada, você vereador copiou e muito mal copiado, não pilota uma bike, não sabe das condições das pistas, não conhece onde os picos acontecem, não sabe dos numeros de acidentes e mesmo se for ao PS Central procurar, não ficará sabendo pois 80% dos ciclistas não fazem BO e não fazendo BO, não existe ocorrência e daí a dificuldade de quem calcula, como eu de sempre saber as rotas, as mais perigósas e em melhor estado.eu

Temos, se é que pode se dizer, a autoridade maxima em dizer o que e como fazer, sem se quer ter feito uma faculdade  de engenharia.

Cito a privatização da Estrada Velha de Santos como um exemplo, um absurdo. Sabemos que se privatizar, mais carros irão passar e aquela estrada que já é fina, será tomada por carros. Não se enganem e nem pensem que se privatizada vc terá acesso a Casa da Pedra, pois se é difícil hoje, será pior amanhã.

Hoje em dia um grande numero de ciclistas descem a Estrada da Manutenão(manutenção da Imigrantes) com destino a Cubatão e Santos, mas estamos precisando sim de ajuda da Segurança Publica, da extenção que sai do ABC até Santos e outras Praias da Baixada Santista. Comento aqui roubos feitos diretos ao passar de uma praia a outra… um exemplo classico é entrar em Santos e tentar ir para Praia Grande, se você passar sem ser roubado é porque você teve muita sorte… nos números de 7 entre 10 pessoas que tentam fazer o trajeto, são roubadas…

Como uma parte da Estrada velha pertence a SBC, até os limítes deve haver segurança, passamos então por Cubatão que o mesmo será feito tendo segurança publica, Santos e Praia Grande…

Eu desço a estrada velha de Santos, sei dos problemas, das partes que escorregam quando úmidas edas parrtes que mesmo secas devem ser alertados, mas na Rota Marcia Prado do ano passado, no dia 9 de dezembro de 2012, houve apenas um acidente no meio de 10 mil ciclistas, e este mesmo ciclista não desistiu, assim que as dores ficaram suportáveis desistiu da ambulância e foi para Santos.

A Rota Marcia Prado é a Estrada Velha da Manutenção da Imigrantes e acontece por volta do dia 9 de dezembro. Neste ano creio que será dia 8 de dezembro… Tem toda uma infraestrutura que antes de descer ensina como descer, locais de parada, o que levar e os bike anjos como sempre estão apostos para qualquer eventualidade.

Bom como deu para se perceber esta é uma rota turística que no dia é trancado para apenas bikes serem os transportes.  No dia podem ter algumas ambulâncias, afinal são muitos ciclistas.

Então Vereadores de SBC, não vem falando do que não fez, não vou permitir fazer ilusão ao povo, quando mandar algo para o plenario, uma demanda , um projeto diga de quem é de fato, isso pode ocasionar plágio e plágio é crime.

Não sou de esqueda e nem da direita,  mas acredito que a situação resolve e a oposição que não tem voz se opõe e em muitas vezes artaza as demandas(meu ponto de vista político) a Situação é quem pode resolver.

Escola Bike Anjo EBA ABC

Escola Bike Anjo EBA ABC

Terrível, isto é crime contra o meio ambiente

Desativamos o Lixão do Alvarenga justamente para melhorar o ar, e saber que aterro nem sempre é benéfico, mas tem certas companhias que insistem em burlar as leis, cegando o povo com dinheiro fácil. As prefeituras, tanto de SBC e Diadema, nada sabem, mas este ato é crime previsto na lei dos mananciais.

Vejam  o vídeo, que mostra porque ainda não estamos limpos, pois sempre aparece sujeiras, entulhos no antigo Lixão do Alvarenga. Crime este que deve ser punido!

Que os responsáveis sejam punidos dentro das leis, inclusive os que foram cúmplices que recebiam R$100,00 dia.

Não podemos aceitar o que o Governo quer fazer com a Billings

Novamente, volto a informar o que São Paulo pretende fazer com nossa Represa Billings

Na época Serra, SP disse que iria aumentar a usina de traição, ou seja, que iria jogar esgoto não tratado em nossa Represa, aguas essas vindas do Rio Pinheiros e Tietê… agora imaginem vocês aquelas aguas em nossa represa?

Entretanto, Serra não conseguiu, pois para construir o tal Rodoanel(que não serviu para nada) precisaria assinar um termo de compromisso de  reflorestamento e proteção da Represa Billings, coisa que ainda não foi feito no Governo Alkimin.

Quem fez todo o trajeto na inauguração e hoje fez novamente, percebe-se que nada mudou para melhor e, aumentaram os números de pedágios e roubos no local… as praças estão ridículas e o local, na parte sul, é local fantasma(você entra, não sabe se vai sair vivo).

Contra o Meio Ambiente Serra tentou, mas como ele sempre foge, nunca cumprindo um mandato desde 1964, já temos a imagem do que irá acontecer se ele for eleito.

O negócio é que, as universidades e jovens de São Bernardo do Campo, não irão deixar este bombeamento irresponsável, mais os cidadãos, que são muitos, que bebem desta água potável, não irão deixar em hipótese alguma.

Nesta gestão do Governo Estadual de 2012, ainda se cogita o bombeamento, que já é feito só que querem aumentar o volume de água.

Luiz Marinho está lutando com unhas e dentes para que isso não ocorra, já Alex Manente, candidato tema a SABESP como principal cabide de empregos prevê mais lucros  ao Deputado.

Diz  notícia em meu email:

EM DEFESA DA REPRESA BILLINGS E DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA PELOS MORADORES DO GRANDE ABC

O Governo do Estado de São Paulo, através da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE), mantém sobre o Rio Pinheiros, a Usina Elevatória de Traição, localizada próximo à ponte Engenheiro Ari Torre. A usina tem como função reverter às águas poluídas dos rios Tietê e Pinheiros em direção à represa Billings. Não podemos aceitar, pois, isso prejudica o abastecimento de água da Billings, que é utilizada pelos moradores de São Bernardo e Região. Ressalta-se que o volume atual de bombeamento do Rio Pinheiros para a Billings é de 280 m³ por segundo na usina de Traição, e 395 m³ por segundo na usina de Pedreira, a EMAE pretende implantar mais três bombas no rio Pinheiros para aumentar o fluxo de bombeamento para a Represa Billings. Devemos sempre lutar contra essa atitude do Governo Estadual.

Em suma, somos traídos toda vez que há chuvas mais fortes em SP e eles encontraram como solução esta alternativa, ou seja, poluir nossa Represa.

Eu dou outra sugestão… faça como Luiz Marinho, invista… faça muitas ruas com asfalto permeável, pois nós do Grande ABCD encontramos um jeito.

A Deputada Estadual Ana do Carmo colocou propostas e projetos, onde não foram aceitos pelo Serra e nem pelo Alkimin, já os dos outros coligados a ele estão traindo a cidade… abram os olhos não só o Grande ABCD, mas todos que bebem agua potável, pois se um dia faltar para nós, iremos retirar de vocês.

A mágica da reciclagem

Por: Claudia Mayara  (Mayara@abcdmaior.com.br)

Antônia Pinheiro faz arte com o que muitos descartam

 

O bom artista renova, inova, inventa. E é assim, de maneira livre, solta e sem limites que a imaginação de Antônia Pinheiro Ferreira, 61 anos, trabalha. As incansáveis mãos da artesã cortam, modelam, pintam, bordam, criam e sem esforço transformam lixo em arte. Na casa desta cearense nada é descartável, tudo é matéria-prima. Com dedicação e bom gosto, caixas de leite ou de sabão em pó, coadores de café usados, embalagens de fraldas descartáveis, revistas e guarda-chuvas velhos se transformam, como em um passe de mágica, em bolsas, sacolas e até mesmo em roupas infantis.

A dedicação à arte da reciclagem nasceu junto de outro sonho, o de estudar. Antônia ou Toninha, como foi apelidada carinhosamente pelo pai, nasceu no Ceará e ainda pequena se mudou com a família para o Maranhão, em busca de melhores condições de vida. A difícil vida no Nordeste dava poucas opções para quem queria estudar ou ter uma profissão. Mas Toninha não desistiu, pois queria descobrir o universo por detrás daquelas letrinhas miúdas dos livros.

Apesar das dificuldades, a menina agarrou a única oportunidade que teve de estudar. Frequentou as aulas por um ano e meio, mas teve de sair quando a escola fechou. O sonho de estudar ficou, então, trancado no coração, assim como o desejo de retomar os estudos. Porém, com 15 anos a jovem se casou e apesar de aos 18 anos já morar no ABCD, onde os estudos eram uma possibilidade ao alcance das mãos, logo vieram os filhos e a vontade de estudar teve de ser adiada.  Quando os quatro filhos cresceram, vieram os netos e, mais uma vez, Toninha teve de deixar os estudos de lado para cuidar da família.

Mesmo adiado por várias vezes, o desejo de aprender sempre esteve presente na vida dela. Entretanto, a cearense só conseguiu realizar este sonho após os 50 anos, quando filhos e netos já estavam crescidos e encaminhados na vida. Toninha então se inscreveu no Mova (Movimento de Alfabetização) de Santo André. E foi na sala de aula que descobriu o amor pela reciclagem e o dom pela arte.

O que era um simples trabalho de escola se transformou em profissão. De lá para cá, já são mais de dez anos se dedicando ao trabalho com reciclagem. Para Toninha, o amor à arte está no sangue e vem da avó, que era artesã. Mais do que um passatempo, o trabalho ambientalmente correto se tornou um orgulho. Atualmente, Toninha faz peças sob encomenda para escolas, desfiles e amigos.

Para a artesã, a vida não poderia ser melhor. Mas, neste ano, o destino lhe reservou uma surpresa. A mulher que esperou 50 anos para estudar, agora tinha também a oportunidade de ensinar. Com o convite, a ex-aluna se tornou professora voluntária do projeto Brasil Alfabetizado, antigo Mova de Santo André. “É uma realização poder ajudar quem tem o mesmo sonho, que um dia eu tive, o de aprender. O sentimento é especial.”

 

http://www.abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=43290

O Brasil e o Mundo não tem vergonha na cara mesmo

Depois de 20, VINTE ANOS,  que uma garota de 13 anos falou e falou sobre as conseqüências do mal que fazemos ao meio ambiente, sobre o tempo perdido, sobre civilizações degradadas e sua família Terra destruída, continuam a devastar…

Indíginas do Brasil então pediram com uma carta ao conselho mundial para que não lhes dêem as costas…

A carta vem assim, na integra:

CARTA DENÚNCIA DOS POVOS INDÍGENAS DE MATO GROSSO DO SUL

NO ACAMPAMENTO TERRA LIVRE/CÚPULA DOS POVOS/RIO+20

 

O Estado brasileiro não mede esforços para mostrar ao mundo um Brasil que não existe. Na defesa do sistema do grande capital, camuflam índices desenvolvimentistas que não revelam as desigualdades internas, os problemas estruturais, muito menos, o estado de genocídio ao qual os povos indígenas estão submetidos.

Juntos somos a segunda maior população indígena do país. Representamos mais de 80% da diversidade étnica e cultural do Estado de Mato Grosso do Sul. Entretanto, nossos povos são excluídos desta sociedade por um racismo histórico e que faz parte do senso comum desta sociedade que nos deve as raízes de sua formação.

Após a guerra do Paraguai fomos sendo confinados em pequenas reservas integracionistas e com isso todo o nosso território foi invadido por não índios e hoje possuímos a menor situação de terras e territórios demarcados do país.

O Estado brasileiro é perverso, pois conhece a nossas necessidades territoriais, sabe que em tudo dependemos destes territórios, que neles encontramos o sentido de nossa existência e o futuro das crianças que nascerão amanhã. No entanto, o Estado que deveria nos proteger e constitucionalmente demarcar nossas terras acabou por entregá-las aos fazendeiros/grileiros que hoje se passam por “bons” proprietários, mas continuam a ameaçar e a assassinar nossas lideranças, nos fazendo de escravos, derrubando as matas, matando os animais e poluindo os rios.

Na sua falta de decisão política de garantir nossos direitos, o Estado brasileiro nos submete à pior realidade de violência contras os povos indígenas da América. Nos últimos anos, 60% dos assassinatos de indígenas no Brasil ocorreram contra nossos povos devido à realidade de confinamento e ao processo de luta pela reconquista de nossas terras. Mato Grosso do Sul amarga o maior índice de lideranças indígenas assassinadas na luta pela terra nos últimos 30 anos. O desespero de nosso povo é tamanho que a cada nove dias um indígena se suicida em Mato Grosso do Sul.

Não aceitaremos mais que a opção desenvolvimentista histórica do Estado brasileiro e de Mato Grosso do Sul com seus governos truculentos e mentirosos continuem a promover a espoliação de nossas terras e o genocídio de nossas famílias.

 

ESTAMOS EM GUERRA!

 

Não por decisão nossa, mas porque os poderosos a impuseram já há muito tempo.

Por isso, nós Povos indígenas Kaiowá, Terena, Guarani, Ofaié, Kadiweu, Kinikinau e Guató, reunidos no Acampamento Terra Livre/Cúpula dos Povos, vimos através deste documento não apenas denunciar aos povos e nações do mundo, organizações e comissões nacionais e internacionais de direitos humanos o genocídio praticado pelo Estado brasileiro contra nossos povos, mas exigir:

 

Do Poder executivo, na pessoa da Presidente da República, Sra. Dilma Rousseff:

 

– a imediata publicação, pela Funai, dos Relatórios Circunstanciados de Identificação dos Tekohas (terras tradicionais) Kaiowá e Guarani, produzidos pelos 6 Grupos de Trabalho no Cone Sul;

– o imediato avanço nos processos administrativos de demarcação das terras indígenas Taunai Ipegue, Lalima, Nioaque, Buriti, Pilad de Rebuá, Potrero Guasu, Sombrerito, Taquara, Água Limpa, Aldeinha, Guyraroka, Jatayvari, Kokuei e Cachoeirinha;

– que a Polícia Federal prenda os assassinos de nossas lideranças mortas na luta pela terra, principalmente os representantes políticos, policiais e ruralistas envolvidos nos assassinatos;

– que a Funai e a Sesai deem todo o atendimento necessário aos acampamentos indígenas localizados à beira de estradas, sitiados em fazendas ou refugiados dentro de áreas urbanas ou aldeias e não use argumentos inconstitucionais de que “trata-se de área em litígio”;

– que, no uso de sua atribuição constitucional realize, com a máxima urgência, através da Força Nacional, a desintrusão dos não índios das nossas terras já declaradas dos povos Terena, Kaiowá e Guarani, Kadiweu e Ofaié. Caso haja processo judicial que nossos povos aguardem a decisão dentro dos territórios, e os não índios fora;

– que seja constituído o GT para identificar as terras do povo Kinikinau;

– que nenhuma outra PCH (Pequena Central Hidrelétrica) seja construída na região do Pantanal e/ou Cone Sul do Estado. Nossos rios estão morrendo e não há mais peixes para nossos povos;

– que se regularize e homologue a Terra Indígena dos Ofaié e promova, através da Força Nacional, a desintrusão dos não índios;

– que se faça a recuperação ambiental e da fauna dos nossos territórios tradicionais destruídos e envenenados pelo agronegócio;

– que nossas lideranças e comunidades sejam protegidas pela Força Nacional especializada, uma vez que o Programa de Proteção dos Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH) da Secretaria de Direitos Humanos – SDH, não desenvolve nenhuma ação efetiva junto às nossas 3 lideranças e comunidades inclusas mantendo-as em situação de risco;

– que haja igual atendimento por parte da Funai e da Sesai às comunidades e aldeias localizadas nas cidades;

– queremos também repudiar a forma como vêm sendo implantados os territórios etnoeducacionais que em nada respeitam a diversidade de nossos sistemas educacionais próprios, e que criminalizam e desrespeitam nossos professores;

– que a assessoria da Funai no Congresso Nacional seja melhor qualificada no monitoramento ao andamento das casas e nos informes sistemáticos aos nossos povos;

– a promoção de ações afirmativas para a permanência dos acadêmicos indígenas em Mato Grosso do Sul;

 

         Do Poder Judiciário, na pessoa do Presidente do Supremo Tribunal Federal, Sr. Ayres Britto:

 

– que os processos envolvendo a posse de nossas terras tradicionais no Mato Grosso do Sul tenham prioridade nos seus julgamentos, pois a morosidade de até 30 anos nestes casos está custando a vida de nossas lideranças, crianças e jovens;

– que recomende ao CNJ ações de combate à morosidade judiciária em outras instâncias e a violação de nossos direitos por parte de magistrados parciais e que tratam destes como algo secundário.

– que se julgue, com a máxima urgência, as ações judiciais envolvendo as Terras Indígenas dos Kadiweu, Nhanderu Marangatu, Cachoeirinha e Arroyo Korá;

 

 

 

 

Do Poder Legislativo, na pessoa dos Presidentes do Senado e Câmara Federal, Sr. José Sarney e Sr. Marco Maia:

 

– que os Projetos de Lei e PECs que violam nossos direitos constitucionais sejam imediatamente arquivados, como é o caso do PL 1610/96, da PEC 215/00 e PC 38/99;

– que todos os grandes projetos que incidam sobre nossas terras respeitem a Constituição Federal e sejam executados somente após consulta prévia, livre, informada e com poder de veto, além de aprovação do Congresso Nacional;

– que a bancada indigenista e a comissão de direitos humanos do Congresso Nacional continuem fazendo diligências em nossas comunidades.

 

Tudo o que temos hoje conquistamos através do sangue de nossas lideranças e da pressão internacional sobre o Estado brasileiro, por isso queremos conclamar os povos do mundo a promover sanções contra o Brasil para que este, ao menos, cumpra suas obrigações constitucionais em relação aos nossos direitos humanos e territoriais.

Na recente UPR (Revisão Periódica Universal) vários países recomendaram ao Brasil respeito aos Povos indígenas e demarcação de suas terras, por isso, queremos pedir a estes, que todo financiamento, empréstimo ou qualquer tipo de apoio financeiro ao Brasil, que incida sobre nossas terras, seja bloqueado até que o governo as regularize pela força.

Apesar de toda violência e morte a que estão submetidas nossas comunidades, confinadas ou acampadas à beira das estradas, testemunhamos a certeza de que com a força de Ñandejara, partilharemos nossos projetos de Bem Viver, em paz, com dignidade, autonomia e liberdade.

Caciques e lideranças indígenas dos povos

Kaiowá, Guarani, Terena, Kadiweu, Kinikinau, Ofaié e Guató

 

Conselho do Aty Guasu

Conselho de luta pela terra dos povos do Pantanal

 

21 de junho de 2012

Rio de Janeiro

As sacolinhas voltam, e agora?

As sacolinhas de plásticos voltaram, foi citado neste blog que isto era fogo de palha, que a conscientização deve vir de quem a usa. Foi dito também que os supermercados fizeram horrores de ganhos e não deram uma benfeitoria aos seus subordinados e nem aos usuários… neste meio tempo, ficamos a Deus dará!

E agora?

Dados deram como esta retirada das sacolinhas plásticas, um desconforto, não fez bem ao meio ambiente, nem à nossa saúde psíquica… Registros mostraram que o argumento de retirar as sacolas como poluidora ( na qual ela é), não melhorou a vida de ninguém, pois mesmo assim existiam as sacolinhas e vendiam sacolas a preços altos com uma qualidade pequena, enfim, os supermercados abusaram de você, aproveitaram a fase de uma pseudo lei e fizeram um ganho de mais de 10 milhões em cada rede.

Em São Bernardo estamos lutando pela Usina Verde, que utilizará o plástico, que não seja mais quemanejado em reciclajem, para ser o combustível que irá mover as turbinas… demais plásticos que podem ser reutilizados, serão levados a reciclajem… por isso a coleta deve ser constante.

Embora haja uma grande massa de pessoas não querendo a incineração do lixo, creio que essa é a unica saída para os plásticos que não mais serão usados, haja visto que este lixo virará ou será reutilizado para gerar energia elétrica.

Ainda se coloca a faca de dois gumes, mas é impossível imaginar a Terra sem provocar impacto ambiental, isso é um fato.